Espirrar não ofende...

sexta-feira, fevereiro 10

Bom dia!

Que tal? Tudo bem por aí?
Que rica "soneca" que eu tirei...

sábado, junho 4

O momento chave

O caso Campos e Cunha deu ao primeiro-ministro uma oportunidade única de demonstrar que é um homem de Estado, que tem uma visão moderna e que quer fazer rupturas com o passado do país. Este é um momento decisivo e não lhe basta afirmar que o seu ministro é um homem sério (ainda não ouvi dizer o contrário) e que não foi abalada a confiança que deposita nele porque o ministro não está a cometer nenhuma ilegalidade. Não é essa a questão. A questão é: os portugueses vão continuar a confiar e a achar que o senhor Cunha é uma pessoa à altura do lugar e da circunstância? Não ponho em causa que Campos e Cunha seja um indivíduo tecnicamente capacitado e bem intencionado para desempenhar a árdua tarefa de ser ministro das finanças, principalmente, numa altura como a que atravessamos. Não ponho em causa que lugares como este devem ser bem remunerados, de uma forma directa e não com artefactos como o que os políticos se fazem benificiar. Agora, oferir um alto rendimento mensal vitalício, autoconcedido após seis anos de serviço ao Estado faz, no mínimo, questionar as verdadeiras intenções do governante e até do cidadão. Não bastará ao ministro das finanças beneficiar das regalias a que tem direito enquanto titular da pasta abdicando do salário correspondente e ficar (apenas!) com a legal, imoral e principesca "reforma" que ofere? O prestígio e o poder da função e a satisfação de servir a causa pública não são igualmente importantes e motivadores?
Que ambos aleguem que estavam distraídos com a situação e que depois de melhor ponderarem sobre o assunto finalmente viram a luz. Que afirmem que só agora o ministro irá prenscindir do novo rendimento porque quando tomou posse não tinha consciência da realidade económica/financeira do país. Que seja mas que dêem o exemplo. E se assim não for e se tiver que que demitir o ministro que o faça. Explique-nos depois porquê. Por favor, faça. Façam. A forma não é importante. O exemplo sim.

Talvez isto seja tomar a floresta pela árvore. Talvez. Mas já é tempo de deixarmos de andar constantemente a olhar para a copa e comercarmos a cortar as raízes doentes. Os "Eles", os "Outros", os "Tais" têm de acabar. Já é tempo da era do "tu aí!".

sexta-feira, junho 3

Um palpite

Passou a haver uma relação entre o desempenho governativo dos últimos primeiros-ministros portugueses com a projecção internacional que os mesmos obtiveram após deixarem de o ser.

Palpita-me que o sucessor de Kofi Hannan será o senhor Pedro Santana Lopes.

Estou triste!

Rui Jorge jogou no Sporting sete anos. É bom atleta, mostrou orgulho na camisola que envergava e, se não estou em erro, é um tipo porreiro.

O atleta soube pelos jornais que não iria continuar a jogar no Sporting.

Começa a faltar aos dirigentes do meu clube não apenas vitórias mas, principalmente, boa educação.

quarta-feira, junho 1

Potência máxima...

... nisto!

Será? 10

... que vinte e um é menor do que dezanove? Para os agitadores canhotos deste país parece que sim.

Há tanta gente boa que morre...

terça-feira, maio 31

Dah!...

segunda-feira, maio 30

ainda sobre o Super Bock

Um tal de senhor Nuno Galopim, escreveu sobre o dia 2 do festival. Quem se refere a "uns Black Eyed Peas" e nada mais escreve sobre os ditos depois do que eles fizeram, ou não estava lá ou é zarolho. Entre outras coisas a música transmite emoções e eles fizeram-no em grande.

Pior que não se poder ouvir a música que se gosta é ser-se mau profissional, neste caso jornalista.

Mas cada um apanha onde quer...

11º Super Bock Super Rock - dia 2

Ganhei um bilhete (obrigado Antena 3) e senti-me na obrigação de sorver cada pormenor do dia festivaleiro dos menos eléctricos. Mesmo assim, estiveram por lá: os Turbonegro - tão pesados quanto o seu vocalista, contrastando com o resto do agrupamento que faziam lembrar os Village People; os The Hives - uma lufada de punk revisitado - e os portugueses Fonzie - aquele tipo loiro (?) tem mesmo um ar estranho e fala à emigran franciu. Antes que me esqueça, falhei os portugas Blend e Boss AC. Os Expensive Soul & Jaguar Band provaram que são uma grande promessa mas apresentaram-se com um coro sofrível.

Agora os destaques:

Loto - continuo a achar que é uma das melhores revelações cá do burgo. Provaram-no. Um àparte: o vocalista é o tipo com menos sentido de oportunidade que conheço (apenas estou a falar de músicos, entenda-se) e já o vi perder umas tantas oportunidades para estar caladinho. Se a intenção é chocar, definitivamente, há outras formas. A excelente música que fazem chega para comunicarem connosco.

Black Eyed Peas - estes tipos cansam. São uns animais de palco e não se lhes consegue ficar indiferente quando actuam ao vivo. Planeadamente ou não, tiveram um merecido encore. Respirou-se a fresca fragância que o elemento femenino trouxe a esta banda.

The gift - não, meus amigos! Não há essa coisa da "melhor banda portuguesa" mas estes tipos estão entre as melhores, concerteza. A vocalista Sónia esmaga qualquer ouvido mais desatento e os sons densos da banda obrigam a um recolhimento que por vezes não é compatível com os grandes palcos mas o sentido estético e o bom gosto musical que têm não deixaram que isso se tornasse um problema.

Moby - este nova-iorquino sabe o que faz. Grande músico. Polivalência artistica e profundo conhecimento de cada clave que as colunas debitavam. Domínio completo. Mais, sinceridade na simpatia e no gozo por estar a actuar. A senhora que o acompanhava nas vozes e a humildade com que homenageou os Joy Division/New Order são mais duas notas de destaque.

New Order - deixei-os para último porque eles são uns SENHORES da música. "Se quiserem chingar-nos estejam à-vontade mas temos que afinar isto" disseram eles. A partir daí foi tudo imaculado, sem falhas. Crús e entradotes, não negaram as suas raízes e arriscaram tocar os introspectivos Joy Division. E depois? Sublimes. Estes tipos já faziam coisas como "Blue monday" há mais de vinte anos atrás. Eram muito à frente. São. Voltem se faz favor.

PS: desculpem este post à teen mas estava mesmo a apetecer-me.

PSS: obrigado lolita! És sempre uma óptima companhia.

Alterações

Passo a informar que em vez de dobradinha vamos servir sardinhas assadas.

Ontem recebi 2 cabazes e tenho de lhe dar 1 jeito.

Desculpem qualquer coisinha!

domingo, maio 29

Estamos no bom caminho

Segundo o "Correio da Manhã", o primeiro-ministro José Sócrates nomeou o senhor Nuno Cardoso presidente do Instituto das Águas. Como consequência, o administração cessante é indemnizada em meio milhão de euros ou, na moeda antiga, cem mil contos.

Sim senhor!

sábado, maio 28

Problemas

- Deixa-me lá, oh cigano de merda!

- Aiiiii! Corto-te o pescoço com uma lata...

sexta-feira, maio 27

Atenção: Marques Mendes na pista 3

Resposta do PSD

Marques Mendes já reagiu à notícia da cativação das verbas dos prémios afirmando que foi durante o governo do seu partido que Portugal aderiu ao Euromilhões.

Última hora

O ministro Campos e Cunha acaba de anunciar mais uma medida para o combate ao défice. Doravante, todos os jogos serão considerados ilegais e o ministério das finanças passa a cativar todas as verbas provinientes de prémios de jogos - Euromilhões, totoloto, raspadinha, totobola, etc.
O ministro das finanças espera, baseado no recente Relatório Constâncio quanto à estimativa da evolução das apostas e particularmente as do Euromilhões, que com esta medida podemos, até final de 2006, baixar o défice até aos 4,3248%.
Como medida acessória, Campos e Cunha informou que o secretário de Estado do Turismo já lançou uma campanha de cartazes em todos os países que participam no sorteio, cuja a mensagem é - Jogue no Euromilhões e ajude quem mais precisa! Obrigadinho.

Dúvida

Finalmente, e como a maior parte desejava, o Benfica é campeão.

Afinal esta merda está melhor em quê, caralho?

Será? 9





... que tivemos sol todo o ano e este fim-de-semana chove?

Eu vou.

(de galochas)

Há mulheres assim...

Que (en)cantam


Que divertem


Que arrepiam


Que hipnotizam


E depois há esta.

Desodorizante. Sabes o que é?

quinta-feira, maio 26

A problemática do valor acrescentado

Estou farto de ouvir dizer que o aumento do I.V.A. vai provocar maiores dificuldades na competitividade dos produtos nacionais.

Senhores doutores, jornalistas, políticos do livro de bolso da Europa-América e mentes iluminadas do nosso país em geral:

- Os produtos exportados são facturados sem I.V.A. entre membros da União Europeia. Ouviram bem? Népias, zero. Apenas são taxados no país comprador, ou seja, é indiferente o artigo ser proviniente de um país com imposto de 16, ou 21, ou 23%...

Elementar, meus caros senhores!

Ah! Já percebi...

- Doutor Vitorino! O PS vai continuar a não cumprir as promessas eleitorais?

- Habituem-se! Habituem-se...

Olá! O meu nome é Mordillo

quarta-feira, maio 25

Soube-me a curto

Tudo bem senhor José Sócrates. Concordo com a generalidade das medidas anunciadas. Mas...

E os grandes projectos de investimento? O novo aeroporto, o TGV, o regadio do Alqueva... Dinheiro à séria! Não os tostões que os Estado vai amealhar com a nova taxa de 42% sobre os rendimentos superiores a 60 000 mil Euros anuais. Eu percebo que é um sinal mas é curto mesmo com o exemplo dos cortes aos ordendos dos altos quadros do Estado. Também percebo que acabar com o sigilo fiscal é uma medida política e não apenas mais uma ferramenta fiscalizadora e executória. Permite responsabilizar cada cidadão para com os outros - quem declara receber o ordenado mínimo nacional não pode, salvo raríssimas excepções, andar montado num Mercedes e isso pode passar a ser público.

E as medidas anunciadas correspondem a quanto? A Via do Infante beneficia essencialmente quem? Aquela não é uma zona demograficamente pendular logo turística? E o último aumento do I.V.A. não nos ensinou que uma variação do mesmo não significa que se obtenha o equivalente em receita?

Anunciou, e bem, o congelamento das progressões automáticas na função pública. Ora, se quer dar sinais, se queria dar um verdadeiro sinal bania definitivamente com essa aberração e assim, dizia a todos nós que: Portugal tem de passar a ser um país que procura méritos e não uma nação que vive agarrada eternamente aos seus direitos.

Mas eu deixo-o trabalhar, senhor primeiro-ministro.

Começar é o que custa mais

Ando farto de andar nos copos.
A primeira medida é deixar de beber bebidas brancas.
Começo pela água.

Eu sempre disse que espirrar não ofende...

A anedota do ano

José Peseiro ganhou o prémio Superliga de melhor treinador da época 2004/2005.

terça-feira, maio 24

Brrrrrrrrrr



À custa do anúncio que o próximo alto-comissário da O.N.U. para os refugiados é o português António Guterres, ouvi a senhora Ana Gomes.

Esta mulher dá-me arrepios...

Será? 8

... que o aparecimento de tantas operações stop desde ontem é a primeira medida do governo para combater o défice?

PS: Infelizmente ainda não me passou a fase séria.

Água

Falta de água no país. Há?
Campanhas para sensibilizar as pessoas para não desperdiçarem a água. Há?
Debates públicos sobre o assunto. Há?
Pessoas preocupadas com isto. Há?

Eu estou. Mas eu sou parvo...

segunda-feira, maio 23

Portugal a 6,83 à hora



Parece que vão tocar-a-rebate porque finalmente apareceu um número para o défice orçamental. Chamaram-lhe seis vírgula oitenta e três.

Está tudo chocado! Está tudo surpreendido! Está tudo de acordo que é preciso tomar medidas!

Pergunto. Só agora? E, ainda por cima, com a mesma conversa de merda de sempre?

Não, senhor Coelho. A situação agravou-se consideravelmente na era Guterres. O senhor só lá não estava pelas tristes razões conhecidas.

Não, senhora porta-voz do PSD. A vossa culpa é tanta ou maior que a dos outros.

Não, senhor Louçã. Dizer que o aumento do I.V.A. acarreta maiores dificuldades de competitividade dos nossos produtos com os de Espanha - ou de qualquer outro membro da União Europeia, acrescentaria eu! Mas quem não se sente não é filho de boa gente e compreendo a embirração que tem com os vizinhos - é o mesmo que eu tentar dizer em japonês que o senhor não percebe nada de contabilidade, quanto mais de economia.

Não, senhor Jerónimo. Não são os desfavorecidos que pagam as crises mas sim a classe média. Tão pouco os mais ricos ou os sindicalistas.

Sim, senhor Ribeiro e Castro. Concordo que devemos concentrarmo-nos nas soluções e não andar a apontar culpados. Pena a escumalha que circula pelo Largo do Caldas e os que já lá não andam mas mostraram o que valem com as suas façanhas enquanto governantes.

Pois, senhor Vítor Constâncio. Não basta ao governador do Banco de Portugal anunciar pomposamente as más notícias. Devia ter feito muito mais ruído. E estudos. E avisos à navegação. E propôr soluções coerentes.

Envergonhem-se, senhores políticos! O Número, acima de tudo, qualifica a vossa incompetêcia dos últimos longos anos.

Vejam se não cometem os mesmos erros. Nós é que nos lixamos. Outra vez.

PS: Afinal enganei-me no título do 'post'. Devia ter escolhido "Portugal à velocidade do futebol". Qualquer que fosse o vencedor do campeonato fazia anestesiar o país no dia seguinte. Coincidências.

Desculpem-me...

Não me aguento e vou ter de escrever uns 'posts' sérios.

Não se preocupem porque passa-me rapidamente.

domingo, maio 22

Ah pois é...

sábado, maio 21

Os autocarros TST ou...



Porque outros valores se levantam e devido à minha costela ambientalista (ecologista não que esses são radicais), decidi dizer à minha gaja: "não te preocupes comigo, eu lá chegarei ao pé de ti!". Tinhamos combinado ir a casa de uns amigos que moram na Vila Expo (xiii, que luxo!). Eu estava na margem sul e ela em Lisboa. Pensei, apanho o autocarro e o cacilheiro e aí estou eu no Cais do Sodré à espera que a minha asdrubalina me apanhe de carro. Sai de casa às oito da noite, andei cinco minutos até à paragem e esperei um quarto de hora pelo dito. Quando vi a charanga que se aproximava para me levar até Cacilhas, não vacilei e arrisquei. Pedi um bilhete ao motorista que imediatamente olhou para mim com cara de espanto. Pensei, o que é que eu fiz? Pediu-me dois Euros e vinte e cinco cêntimos pelo bilhete. Fiquei logo a perceber o porquê da expressão do tipo. É proibido andar de transportes públicos sem ter bilhetes pré-adquiridos! Meus amigos, foram 2 euros e 25 cêntimos que eu tiver de pagar para: receber um bilhete título de transporte ranhoso; fazer um percurso de 10 quilómetros em meia-hora; ter a constante sensação que o autocarro ia depressa demais e que, a qualquer momento, ou batia ou se desmanchava; ser acompanhado de gente (coitados!) horrível; ouvir uma chiadeira incessante e insurdecedora.

Estarei grávido? Fui fodido sem querer!


PS: O cacilheiro custa 65 cêntimos e podemos comprar o bilhete na hora.

PSS: Margem sul: o lado certo!... dasse.

Gajo que é gajo... 4



... obrigatoriamente, desfruta-a!

This page is powered by Blogger. Isn't yours?